Vinho verde: a nova sensação da vinicultura

98

Você já ouviu falar do vinho verde? A nova sensação da vinicultura está se tornando muito popular no Brasil. Famoso na década de 1970, voltou a compor a lista dos amantes de vinho.

A valorização deste tipo de vinho se deve principalmente à importância para a história e cultura portuguesa. Em 1908, foi estabelecida uma área chamada como Região Demarcada dos Vinhos Verdes, que é compreendida pelo lado noroeste português e se estende entre as margens do Rio Minho até o Rio Douro.

Apesar do que o próprio nome sugere, o vinho verde costuma apresentar cor branca, mas também pode variar entre rosé, tinto e até espumante. O termo vinho verde surgiu para remeter às características naturais da região que o produz, verdejante. Porém, também está relacionado ao aroma, frescor e baixo teor alcoólico que o vinho apresenta, fazendo alusão entre juventude e leveza.

Potencial Gastronômico

O vinho verde possui elevado potencial gastronômico e combina especialmente com pratos leves, como frutos do mar e legumes. Porém, também é adaptável a pratos pesados, como carne de porco, perfeito para os momentos de descontração e harmonia. Possui aromatização de frutas e toque cítrico, além de paladar leve e frutado.

Para o processo de produção do vinho verde, a colheita das uvas tem que ser realizada no período perfeito. Isso significa que o nível de açúcares, taninos e ácidos devem estar equilibrados, e o solo interfere diretamente no sabor. Os principais tipos de uvas utilizadas são Trajadura, Arinto, Loureiro e Alvarinho, considerada como a mais nobre da região.

Outra curiosidade é que o vinho verde tem fácil produção e alta quantidade de uvas por pé. Fator que facilita para que o preço seja acessível e mais baixos que muitos outros vinhos. Pode ser encontrado com facilidade no Brasil, desde prateleiras de supermercados até em casas de vinho.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Insira seu nome